Blogue do Maia de Carvalho

POR TRÁS DE CADA GRANDE FORTUNA HÁ UM CRIME. Honoré de Balzac

sexta-feira, setembro 21, 2007

Vêem? Afinal eu não tenho razão.

Imagem de «24 Horas» de hoje.


Afinal a saúde mental em Portugal vai muito bem e recomenda-se. O actor Pedro Alpiarça quis com tanto realismo representar o papel da Depressão Nervosa, que, no Hospital de S. Maria se lançou de uma janela do 5.º andar. Interiorizou de tal forma o papel que morreu instantaneamente.

Palmas aos nossos serviços de acompanhamento de saúde mental, ao nosso Serviço Nacional de Saúde e, principalmente, ao Ministro Correia de Campos que o tem vindo a destruir.

Etiquetas: , , ,

6 Comments:

At 9:45 da tarde, Anonymous luis said...

saltou de um 5º andar, depois de lhe terem recusado ajuda médica.

Precisou de ajuda médica porque em Portugal os artistas não têm quaisquer regalias sociais e passa muito tempo sem trabalho devido à intermitência da profissão.

 
At 10:00 da manhã, Blogger MCA said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At 10:03 da manhã, Blogger MCA said...

Luis, a vida de artista é instável em qualquer parte do mundo. Quem não quer isso, procura um emprego estável, das 9 às 5, com 14 meses de ordenado certo. Um artista sabe, de antemão, que vai ter uma vida incerta e o Estado não obrigação nenhuma - repito, nenhuma - de assegurar um ordenado a um artista enquanto este está sem actividade. O que está aqui em causa é outra coisa. O que está aqui em causa é a desumanidade dos serviços de urgência, a incapacidade de olhar para cada doente como uma pessoa, alguém que precisa de ajuda. Ele não foi ao hospital pedir emprego, foi pedir ajuda médica. E não lha deram. Não lha deram porque não viram o problema dele. Se ele tivesse uma perna partida, uma facada no peito, um ataque cardíaco, era atendido porque estes são problemas que se vêem. A dor psíquica, a depressão, não se vê. E faltam técnicos capazes de olhar para uma pessoa neste estado e perceber que ela precisa tanto de ajuda como um cardíaco ou um traumatizado. Faltam técnicos que saibam ser, também, pessoas.
Esta história é terrível e chocante. Aliada aos casos das juntas médicas que têm acontecido, aos medicamentos recusados por serem caros, etc. temos motivos para nos sentirmos verdadeiramente apavorados quando precisamos de ajuda médica. Não pelos médicos que encontramos pela frente mas pelos robots em lugar de pessoas que tomam as decisões.

 
At 7:08 da tarde, Anonymous PS said...

Subscrevo integralmente o que MCA disse.

 
At 1:07 da manhã, Anonymous Anónimo said...

O problema MCA, não é não ter trabalho, é não ter direito a subsidio nem regalias nenhumas como as outras pessoas que "coitadinhas" trabalham das 9 às 5h.
Os actores e outros artistas não são nenhuns vádios, como o seu comentário trasparece.

 
At 4:21 da tarde, Blogger MCA said...

Caro "anónimo", se o meu comentário lhe deu a entender que eu considero os artistas uns vadios, ou eu não me expliquei bem, ou o caro "anónimo" não o percebeu. Admitindo, como sempre, que posso ter-me explicado mal: não, não foi isso que eu quis dizer.

 

Enviar um comentário

<< Home