Blogue do Maia de Carvalho

POR TRÁS DE CADA GRANDE FORTUNA HÁ UM CRIME. Honoré de Balzac

domingo, agosto 24, 2008

As coincidências da Linha do Tua



Portugal chegou a ter uma rede Ferroviária de razoável importância.
Depois começou lenta e ardilosamente a ser desmantelada por razões todas elas absurdas, fazendo crer a toda a gente que era mal administrada por ser do Estado. Concedo que sim, que podia ser mais bem administrada, que menos gente deveria usufruir dos meios e dos quartos de bilhete, que a disciplina dos funcionários devia ser uma exigência imperiosa das chefias que a fiscalização, a formação e a avaliação dos funcionários e dos custos devia ser levada muito a sério mas sem perder de vista que uma rede ferroviária daquela dimensão era um Serviço Público insubstituível.
A descoberta de petróleo em Angola, a consequente construção do terminal petroleiro e demais pólos industriais de Sines, crentes da perpetuidade portuguesa em África, fizeram sucessivos governos pensar em combustível barato ou lucros fáceis para grandes companhias petrolíferas e sua subsequente privatização. As transportadoras também acordaram e cheiraram o perfume do lucro a qualquer preço, surgiram empresas de transporte rodoviário nas mais incríveis aldeias e lugarejos, com materiais de grande tonelagem, compradas no refugo do estrangeiro. Mais recentemente, já com a hipótese ferroviária moribunda, desenvolveu-se a febre das auto-estradas.
Desmantelou-se uma grande companhia a CP em três companhias independentes pensadas já não em Serviço Público mas nas Sacrossantas Leis do Mercado (leia-se lucro a todo o custo e muito) – Uma gere a circulação, os preços, os horários, as localidades servidas, tudo em função do máximo rendimento. – Outra gere a construção e manutenção das ferrovias propriamente ditas, balastros, chulipas, carris, postes e catenária, energia que a percorre. – Outra encarrega-se das mercadorias e do armazenamento das mesmas, fazendo muitas vezes “vaquinhas” com algumas rodoviárias.
A poluição não interessa, o CO2 é uma sigla divertida e o fuel e a gasolina proporcionam bons dividendos a meia dúzia de magnatas.
Depois, o próprio Presidente da Câmara de Mirandela estranha: em mais de cem anos de comboios do estado nenhum acidente grave, num ano de CP privatizada quatro acidentes com destruição de material, mortos, feridos, interrupção do serviço por tempos mais ou menos longos para vistoria, obras e preparação de relatórios que ou não concluem nada ou nunca aparecem.
Coincidência interessante: neste último ano os acidentes ocorreram sempre no troço da linha que se prevê fique sempre submerso seja qual for a cota da barragem.
Ás vezes apetece desabafar: Srs. políticos destruam tudo, tornem-nos reféns das Transportadoras Rodoviárias e das Companhias Petrolíferas. A Natureza cobra sempre o seu tributo, quando não aguentar mais, rebenta. Só é pena o sacrifício de tantas vítimas inocentes!

Etiquetas: , , ,

2 Comments:

At 1:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Depois da "vistoria"(?) que considerou a via em condições de segurança para circulação de comboios, só mesmo uma brincadeira de garotos para desmascarar o ridículo - terem cosnseguido arrancar, com as próprias mãos, os parafusos que deveriam segurar os carris às travessas de madeira! seria para rir se não tivessem havido vítimas; até quando a impunidade?

 
At 6:01 da tarde, Anonymous matcho transmontano said...

é uma tristeza a sabotagem da linha, de forma a procurar unicamente lucro, levando assim ao encerramento de uma linha verdadeiramente patrimonio mundial. só os torguriros é que não consseguem ver o crime... no entanto mais estúpido é a tentativa de assassinato de vítimas inocentes... nada o justifica... nada mesmo... inté...

 

Enviar um comentário

<< Home