Blogue do Maia de Carvalho

POR TRÁS DE CADA GRANDE FORTUNA HÁ UM CRIME. Honoré de Balzac

quinta-feira, dezembro 04, 2008

Sem-nexo

Andei léguas de sombra dentro em meu pensamento. Floresceu às avessas meu ócio com sem-nexo, e apagaram-se as lâmpadas na alcova cambaleante.

«CANCIONEIRO – Fernando Pessoa»

Que raiva! Este é o meu estado de espírito mas sou incapaz de exprimi-lo, brincando com as palavras e os conceitos e a música das frases como o Poeta.

Porque será que uns nascem poetas e outros broncos. Ainda se ao menos eu fosse um bronco plenamente bronco… Tudo o que está completo está perfeito e, chamem-me parolo, eu desejava ser perfeito. Mesmo que fosse bronco!

Etiquetas: ,

2 Comments:

At 9:19 da manhã, Blogger missixty said...

Não saberias até que ponto a tua "poesia" é perfeita, senão houvesse termo de comparação! Nitch defendeu que é necessário a presença do bem e do mal, para haver o equilíbrio!

 
At 1:53 da tarde, Blogger antonio - o implume said...

A arte de se ser bronco passa por não sermos muito exigentes connosco... os poetas também são broncos mas disfarçam bem (com excepção de Pessoa que era um génio). ;)

 

Enviar um comentário

<< Home